Brasileiros na Maratona de Boston

Atletas brasileiros vivenciam o sonho da corrida mais desejada

Luciane (@correndoamil), 43 anos, jornalista e advogada, mora em Cuiabá (MT). Adriano (@adrianoananias), 33, empresário, é de Campina Grande (PB). André (@andreburgos), 35, programador, do Recife (PE). Três atletas amadores que conquistaram o mesmo sonho: percorrer os 42km195 da prova mais desejada entre os corredores – a Maratona de Boston.

É que além dessa prova exigir um índice desafiador para a inscrição, ela é repleta de significados… “É a mais antiga, foi a primeira a contar com a participação de uma mulher, onde já teve um atentado e um indígena campeão. São mais de 120 anos de história”, lembra André.

E no dia 17 de abril deste ano esses nossos amigos corredores também deixaram suas marcas e impressões pessoais lá, reescrevendo suas próprias histórias na corrida, e, com certeza, saíram mais fortalecidos. Além da emoção de participar de um evento importante como esse, das dificuldades e dos treinamentos duros para estar ali, cada atleta que cruzou essa icônica linha de chegada fez o seu melhor naquele momento.

Saiba como foi a Maratona de Boston 2017 na visão de cada um desses guerreiros:

André Burgos, corredor desde 2013:

 Foi a maior e a melhor experiência que tive com a corrida até hoje. É incrível como a cidade vive a maratona. Vi pelo Centro da cidade pequenos jarros com flores e mensagens em memória das vítimas dos atentados e seus familiares. As pessoas nos cumprimentavam antes e depois da prova. Era lindo e emocionante. Tudo muito bem organizado e feito com muito carinho. Dava pra ver nos olhos dos voluntários e dos moradores que tinha muito amor envolvido. É contagiante! Ouvi muitos gritos de incentivo, de crianças a idosos. Os olhos enchiam de lágrimas. Eu precisava me conter para continuar correndo. Sabia que essa maratona era especial, mas não imaginava que seria assim.

Foi tão difícil chegar lá… Tantas pessoas me ajudaram que eu queria retribuir de forma especial – filmei a prova em 360º pra tentar transmitir da maneira mais fiel possível a emoção de correr a Maratona de Boston. Criei uma playlist no Youtube com 14 vídeos: https://goo.gl/cbRX8S

 Eu treinei forte pra correr bem lá e, mesmo tomado pela emoção, filmando e curtindo cada quilômetro, consegui fazer meu melhor tempo e ainda foi um sub 3. Terminei em 2:55:10.

  

Contando com Boston, André já correu 9 maratonas e 4 ultramaratonas, sendo 2 de 50 km e 2 de 100 km
Contando com Boston, André já correu 9 maratonas e 4 ultramaratonas, sendo 2 de 50 km e 2 de 100 km

Luciane, corredora desde 2011:

 Achei o percurso desafiador, difícil. No entanto, as famílias pelo percurso e o clima afetuoso na cidade transformam a prova num momento muito especial. Além do calor e tempo seco, este ano a maratona de Boston teve uma presença de honra, a norte americana Kathrine Switzer, que em 1967 entrou para a história ao se tornar a primeira mulher a participar oficialmente desta maratona. Kath como é conhecida, hoje com 70 anos, correu com o mesmo número, 261, com o qual ela correu há 50 anos. Foi muito legal encontrá-la quase na chegada.

 O clima na cidade antes e depois da prova é fantástico, todos vestem a camisa e as cores da prova e trabalham para que seja um final de semana inesquecível. Desde o desembarque no aeroporto, tudo é preparado para os atletas. A organização da prova então, nem se fala. Todo o percurso tem muita hidratação, frutas, assistência aos atletas. 

 Minha largada foi às 10h50, fui caminhando até o ponto onde os ônibus aguardavam para levar os corredores à vila dos atletas. São cerca de 50 minutos de ônibus da região central de Boston até próximo ao ponto de largada. Na vila dos atletas a estrutura também é fantástica. Café, água, frutas, pão. Todos ficam sentados em um grande gramado esperando a largada. Lá as instituições de caridade arrecadam as roupas de frio usadas pelos atletas para doação. Ao passar pelo tapete de largada, já é possível sentir a áurea de Boston. Pessoas dos dois lados gritando, apoiando fazendo uma festa inesquecível, é de arrepiar. 

 Sem calor o percurso de Boston já é difícil, pensa com o sol e o tempo seco, estava muito difícil. É um sobe e desce constante, que vai desgastando, exige demais da musculatura. Vi muitos maratonistas cansados, andando, outros desistindo da prova, outros sendo levados para o hospital. Para chegar ao final só com muita emoção, porque o sofrimento é grande. 

 Parte da mística que faz a maratona de Boston tão desejada é que ela não é uma prova pra qualquer um. O sonho de estar lá requer muito treinamento, disciplina e anos de corrida. Eu treinei muito para conseguir o índice e para estar lá. Fiz em 3:59:09, bem acima dos 3:35:37 que me credenciaram para estar na prova. Em uma maratona há fatores que muitas vezes fogem do nosso controle. Muito sol e mesmo treinando em Cuiabá senti demais o calor e o tempo seco. Durante o percurso tomei muita água e mesmo assim cheguei desidratada, um pouco tonta e passando mal. Não há palavras que exemplifiquem Boston, é preciso senti-la e corrê-la. É uma prova para vivenciar e curtir, vale a pena demais. 

 Sofrimento a parte naquelas subidas intermináveis, me diverti muito, me emocionei e comemorei demais ao cruzar a linha de chegada. Boston é movida pelo coração do público que carrega os atletas durante os 42.195. A torcida de todos nos dois lados do percurso garante que milhares de corredores, assim como eu, completem a prova mais sonhada do mundo. Boston realmente é uma prova diferente, é tudo o que falam e mais um pouco. Daqui alguns anos, pretendo voltar e viver toda aquela emoção novamente. 

 Lu 2

 

Adriano, corredor desde 2014:

 Além de ser a tão desejada por todo maratonista, ela mostra que é a rainha de todas as maratonas… A energia do grande evento contagia a ‘pequena/grande´cidade de Boston por completa. Nunca vi nada igual à feira do evento, por exemplo, que contou com a presença das principais marcas esportivas.

 No grande dia da maratona, tudo transcorreu perfeitamente: a saída de forma ordenada para a largada em Hopkinton , a espera para a largada de forma tranquila e com bastante assistência, e, por fim, a chegada com bastante festa e o suporte dos inúmeros voluntários que celebram conosco.

Você termina essa difícil maratona e já fica querendo programar a sua volta… Apesar de suas dificuldades (desde a sua qualificação até a conclusão), a Maratona de Boston não consegue espantar os corredores e sim atraí-los para um retorno em breve!

Tive muitas dificuldades após a primeira metade da prova (24-25km) com o sobe/desce e isso triturou toda minha musculatura e não consegui manter o que tinha planejado; assim tive que mudar os planos durante o percurso para poder concluir e finalizei a prova com 2h59’10”.
Adriano

O significado da corrida para cada um

Outro ponto em comum une esses guerreiros: a transformação que a corrida promoveu em suas vidas.

Comecei a correr em 2013 para quebrar o sedentarismo. Estava obeso e sedentário. Precisava mudar! E faço questão de compartilhar essa paixão em meu blog (www.treinodehoje.com) e nas redes sociais (instagram.com/andreburgos, facebook.com/treinodehoje, youtube.com/treinodehoje).

Em pouco mais de seis meses, emagreci 30 kg. Hoje, minha alimentação é bem simples. Priorizo o consumo de alimentos da natureza. Evito ao máximo: industrializados, farináceos, açúcares, óleos vegetais, margarinas e excesso de carboidrato. Como legumes, verduras, vegetais, carnes, castanhas, algumas frutas, ovos e a gordura natural dos alimentos.

 Há quase 1 ano e meio, não sinto dor de cabeça, sinusite, rinite, asma e uma tendinite sumiu.. Fiz um vídeo sobre isso: https://goo.gl/1HuIBC

 Quando comecei a correr, não acreditava que conseguiria correr mais que 10 km. Hoje vejo que podemos ir muito além do que acreditamos e a corrida vem me mostrando isso. Aprendi que todo sacrifício vale a pena desde que haja planejamento e dedicação. E que não chegamos a lugar nenhum sozinhos.

(André Burgos)

burgos 3

A corrida mudou minha vida. Eu era uma pessoa sedentária, que só pensava em trabalho e não tinha tempo para mim. Resolvi mudar de vida e comecei a correr. Hoje sou muito mais feliz, bem humorada e tenho milhares de amigos corredores em todas as partes do mundo. A corrida é transformadora e agregadora. Você começa a correr e já chama um amigo, o amigo chama outro e assim por diante. Então, eu corro porque quero viver muito, com saúde, ser sempre muito feliz e fazer muitos amigos. 

(Luciane Mildenberger)

Lu 3

 

A corrida significa um divisor de águas para mim. Comecei para perder peso e canalizar o estresse do dia a dia. Obtive uma mudança radical – nos aspectos físicos (perda de peso de mais de 20kg), nos hábitos alimentares e na rotina diária de atividades físicas – melhorando meu rendimento profissional e minha qualidade de vida! Mais que uma rotina, é um estilo de vida e tem também uma função terapêutica para minha rotina profissional (momento para planejar estrategicamente meu dia e também uma válvula de escape). Sempre falo que a corrida é “um agente de manutenção da minha motivação para alcançar meus objetivos pessoais e profissionais!”

(Adriano Ananias)

Adriano 2

O que mudou na rotina dos atletas para Boston:

medalha

Alguns ajustes nos treinos, fortalecimento e alimentação marcam o sucesso desses atletas desde a conquista do índice para a Maratona de Boston.

Comecei a nadar para melhorar a resistência cardíaca e respiratória e hoje minha rotina é assim:
Corrida: terças, quintas e sábados.
Natação: segundas e quartas. Às vezes nados nas sextas.

Descanso nos domingos e às vezes nas sextas.

 Quando estou treinando para uma prova específica, organizo meus treinos longos de acordo com a data da prova. Vou aumentando a quilometragem dos longos e depois reduzo. Acho que essa é uma prática comum pra quem treina para provas longas.

(André Burgos)

Burgos

 

Aumentei o fortalecimento muscular (musculação e pilates), passei a fazer de duas para três vezes por semana. Comecei a fazer natação para ajudar a liberar dos treinos longos. Corro todos os dias e descanso somente no domingo. Em quase 4 meses de treino, fiz uma média de 1.200 kms. 

(Luciane Mildenberger)

Lu

Minha rotina de preparação para maratona de Boston iniciou em janeiro, foi constituída de 6 dias de treinos, onde faço 2 dias de pista, com um dia de folga nos domingos. Minha alimentação é com baixa ingestão de carboidratos para melhorar o controle do meu peso (72kg). Ainda consegui incluir na minha preparação 2 dias na semana de pilates e mais 2 dias na semana de fisioterapia preventiva. 

(Adriano Ananias)

Adriano 3

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *