Guerreira dos imprevistos

Imagine um lugar inóspito, frio, no extremo Sul das Américas. Agora acrescente uma paisagem de tirar o fôlego em um percurso extremamente desafiador… Esse foi o cenário da Ultra Fiord 2016, prova de corrida realizada entre 14 e 16 de abril, na Patagônia Chilena, que atraiu muitos trail runners em busca de superação!

Entre tantos guerreiros dispostos a enfrentar uma verdadeira prova sobrevivência como essa estava Bia Carvalhaes – a querida corredora de montanha de BH. “Escolhi essa prova justamente pela dificuldade extrema de clima e terreno (nada se compara ao terreno de lá) e para me motivar a fazer uma prova que tivesse também um visual compensador. Isso me atrai muito”, conta.

foto 2
Bia Carvalhaes na UltraFiord 2016: uma prova de muitos desafios

Em uma prova como essa, a preparação do atleta é fundamental, mas o mais importante é saber lidar com os imprevistos. E foram muitos… “Aconteceu de tudo! Dois dias antes da prova a organização mudou o meu percurso de 30km para 33km por causa de uma tempestade de neve que havia começado. No dia da corrida, estávamos a 150km da largada. O ônibus se perdeu e, quando estávamos no caminho, ele quebrou. Largamos com 2h de atraso, o que prejudica o planejamento alimentar e você começa a correr já fraco. Finalmente quando fomos largar a organização disse que o nosso percurso tinha sido interrompido no km 16 porque a neve havia coberto os bastões de sinalização”, relata.

Mas nem todos esses imprevistos foram capazes de tirar a motivação dessa guerreira que havia sonhado tanto com esse momento, além de ter se preparado muito para estar ali disposta a enfrentar qualquer tipo de situação. “Achei a prova muito desafiante. Fui preparada fisicamente, mas o maior desafio foi vencer o frio. Você acha que sabe o que é frio até pegar uma tempestade de neve. Nevou muito a luva molhou e congelou meus dedos, fiquei um tempo sem sensibilidade nas mãos”.

Em quase 16 km percorridos, Bia fechou a prova em 2h25min debaixo de muito frio, vento e neve e ficou em 15º lugar na colocação de sua faixa etária. Agora imagine qual foi o sentimento que ficou por ela ter sido impedida, pela força da natureza, de completar o percurso de 30km para o qual havia inscrito? “Sentimento de voltar no ano que vem pra fazer um desafio maior ainda: os 50km”.

Esse é justamente o diferencial de quem apenas sonha e de quem realiza! Ela foi lá e fez o melhor que podia ter feito, já pensa em aumentar a distância da mesma prova no ano que vem e ainda voltou com gás total porque tem uma nova importante conquista a caminho: “Meu próximo desafio é Indomit Vila do Farol em Bombinhas (SC). Vou estrear na maratona (42km) em trilha”, anuncia Bia.

foto

 

foto 4

 

foto 5

A preparação

No final de dezembro de 2015, Bia começou a se preparar visando especificamente essa prova na Patagônia. “Foi elaborada periodização para que eu pudesse chegar no dia da competição bem preparada!”, conta.

A preparação incluiu treinos de força (pré-temporada), treinos de resistência específicos (trilhas pesadas) e volume ao final da preparação. Paralelamente foram ministrados exercícios de fortalecimento muscular específico (abdome, lombar, glúteo e membros inferiores).

“Os treinos específicos na trilha tramaram a maior parte do planejamento, pois foram fundamentais para concluir o que foi permitido da prova com muita qualidade, sem lesão e sem sofrimento cardio e muscular”, conta Bia.

foto 3
Finisher: Bia com a medalha da UltraFiord 2016

One thought on “Guerreira dos imprevistos

  • 1 Julho, 2016 at 16:49
    Permalink

    Haaahhha. I’m not too bright today. Great post!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *